sexta-feira, 9 de abril de 2010

O meu reflexo


Uma rapariga na sua pura adolescência como tantas outras, não sou nem mais nem menos que qualquer uma delas, apenas sou diferente!
Sou uma rapariga muito sorridente, luto por tudo em que acredito, bastante divertida, cómica, simpática, alegre, sonhadora, imaginativa e muito orgulhosa. Sou capaz de rir até não aguentar mais e logo a seguir chorar como se não houve
sse amanhã. Sou aquela amiga verdadeira, querida e que anima o pessoal todo, talvez até seja confidente de muita gente.
Se tenho defeitos?
Claro que tenho, todos nós temos e eu não vou ser excepção, e o maior deles todos é pensar demais naquilo que não vale a pena ser pensado, mas para compessar tenho qualidades incríveis, e saber perdoar é uma delas!
Às vezes tenho a sensação que vivo num pequeno mundo a parte, onde tudo é uma ilusão e principalmente onde me refugio em todos os meus pensamentos, e naqueles pequenos momentos onde sou realmente feliz.
Por mais estranho que pareça, eu vou buscar a felicidade onde menos se pode imaginar!
Ao sorriso dos meus sobrinhos e de todas aquelas crianças que vejo passear na rua, á minha família, às fotografias de quando era pequena, aos meus amigos, acho que em tudo o que me rodeia procuro sempre um pouco de felicidade.
O mais importante da minha vida são os meus amigos e a minha família. Os meus amigos são como um bem essencial para mim, são como um tudo, eu sem eles não era eu, era apenas mais uma simples rapariga que andava a vaguear pelas ruas ao ritmo do vento e são também eles, que mesmo sabendo os meus defeitos nunca me abandonam, estão sempre lá! A minha família, é aquele apoio constante e seguro e que por mais erros que cometa, por mais asneiras que faça nunca desaparece, está sempre presente como o “colo” da mãe que tinha quando era bebé, é aquele carinho caloroso que não trocava por nada deste mundo.
Desde pequenina que tenho dois sonhos! Um deles é andar de avião, sinceramente não sei porque mas fascina-me saber como é sentir-me a voar, sentir-me sem os pés bem assentes na terra. O outro é aquele maior sonho, aquele que requer muito de mim, é tirar o meu curso, ou seja, licenciar-me naquilo que realmente gosto de fazer e constituir a minha própria família ao lado daquele Homem que os meus olhos vêem como perfeito!
Afinal, eu sou assim uma rapariga madura mas às vezes criança, bonita e adorável para uns e feia e estúpida para outros, orgulhosa mas sei sempre reconhecer os meus erros, paciente mas ansiosa, choro para acalmar a minha dor, rio da maior estupidez que se pode imaginar, sou mais que qualquer palavra ou frase dita sobre mim, sou eu mesma e não como querem que eu seja!